sexta-feira, 13 de abril de 2012

Cupido e Psique

É na lenda de Cupido e Psique, que o amor visita a razão todas as noites. Ele  pede a ela que nunca esta abra seus olhos para vê-lo, do contra, nunca mais voltaria... Cupido o amor, Psique a razão... Na sociedade moderna ou antiguidade o duelo da razão e o amor fazem a  maior das batalhas épicas, que renasce a cada dia, a cada nova paixão, a cada novo amor.

O concretizar do amor nem sempre é possível, mas ninguém... ninguém pode impedir deste existir. Como uma faísca, uma admiração, uma atração!!!

Mortal o homem se vai, mas posta a chama, alavanca a vida!!! Este sentimento nos faz sentir vivos e mortos...

Como na lenda grega, se um dia abrirmos os olhos mortais pra enxergar sem admiração do sentimento fecundo que nos atrai ao outro, o veremos como qualquer outra pessoa, com todos os seus "defeitos", sem toda aquela fantasia que nos levou a admirar aquele ser.

Para Dante Aleguieri e sua amada, havia uma sociedade,  um divisor de águas distanciando um do outro e ele a imortaliza no céu em o Inferno de Dante. Convenhamos, isso só foi possível porque ele não conseguiu ficar com ela!? Ou seu amor era tão grande e platônico que poderia existir mesmo sem sua proximidade.

Bem, cada amor é distinto um do outro, "oque eu como a prato pleno, bem, pode ser o seu veneno"...

A questão é, sem amor, não vale a pena... grande ou pequeno, forte ou uma suave brisa, eterno ou intenso... Nos ensina a sermos mais humanos!!!

Em diálogo com Não sei quantas almas tenho, de Fernando Pessoa.

não sei quantas almas tenho,
fernando, quantos pessoas

me divisam

às vezes, estrangeira
peregrina solo místico

noutras, alça deforme
jura de fé e ceticismo

se me pedes calma
minh’alma venta abismo

lembra as paisagens do ser 

na altivez do espírito

mas se me pedes aridez
minh’alma é alvura

manto de ternura com qual 

se alça criança
 


hfernandes

domingo, 4 de dezembro de 2011

O Amor Cheira Baunilha

Caminho de pés descalços
Tateando nuvens de algodão
Ao passo largo
Do bater do deste coração

Faço rimas bobas, fáceis e pobres
Na singeleza e simplicidade de cada um...

São tardes, manhãs, madrugadas sem fim...
Fiz truque de tempo infinito, que as vezes num funciona....

Chama flamejante que alimenta a minha loco-motiva da vida
Aflita e sofrida... perto do fim da vida!
vem a vitória? Glória! Glória! Glória! Será?

Por você, com você, em você, pra você, mas não por você, por mim....
Voltei a guiar meu mundo de rédeas nas mãos
Levantei, dei a volta por cima e enfrentei o dragão

Vi estrelas! Escalei montanhas antes intangíveis pra mim
Assim, também segui o pássaro, a me ensinar a bater as asas após seguir parte do caminho
E com suavidade e carinho, me reunir em um concilio de borboletas!

Será possível  viver 10 anos em 10 dias? Pois parece oque me resta...

Me tonteia insano desejo
Desse ensejo de alegria, euforia e dor
Será amor? Será? Será amor?

Te odeio e te chamo
Te amo!!!! Te amo!!!!Te amo!!!!
Cheiro de Baunilha minha  cicuta!

...e ainda assim


Te amo!!!!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Epitáfio - Titãs

Devia ter amado mais

Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...
Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração...
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...
Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier...
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...(2x)
Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr...

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Im melior off vacuus vos, nunc fatigo super mecum, tempus mutare...


O caminho pode ser longo ou curto
Pode ser estreito ou largo
Bom ou ruim

A saudade pode ser a destruição ou a alavanca
A maldade pode ser vingança ou justiça
O bem pode ser a caridade ou o a permissão inaldita

Como pode alguém ser dono do destino ou se deixar levar pela corrente
Como pode ser a mente obtusa ou obsoleta
Roleta ou roda da vida

Se não tentar
É porque era ilusão

Sabe amigo...
Ainda assim eu não lamento
Amei secretamente

E vivi a minha fantasia
Até que ela se esgotasse

Mesmo quando me pareceu um barco furado
Com 11 furos e eu tapei 10
Mas ainda sobrou um

Tenho um mundo de possibilidades
E vou vive-las uma a uma
Até que o ultimo sopro de vida se vá da minha carne

Ainda pairarei no ar... no suspense do coração de um outro alguém
Na mente que eu alimentei
Na alma que cativei
No tanto que vivi

Sabe amigo...
Eu arrisquei tudo
Botei tudo a prova
Em nome do amor que senti

Mesmo com medo
Não deixei passar o momento
Vivi

Esse é o fato
E eu meu amigo
Triste é pensar que fui só um brinquedo...


Você pode gostar também...

Related Posts with Thumbnails